OSUSP apresenta três estreias mundiais no projeto 3×22

Em evento dedicado ao bicentenário da Independência e ao centenário da Semana de Arte Moderna, a Orquestra Sinfônica da USP inova com obras tecnológicas para celebrar o passado refletindo a atualidade

Nas comemorações do centenário da Independência, um grupo de artistas buscou refletir as transformações da linguagem em suas áreas e acabou por realizar a conhecida Semana de Arte Moderna de 1922. Um século depois, para celebrar as duas datas e traduzir no tempo presente suas propostas inovadoras, a Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP lança o projeto 3vezes22, com a participação de diversos órgãos e pesquisadores da universidade.

Para exprimir os anseios da ocasião, a OSUSP preparou um repertório especial, com obras inéditas de expoentes da composição contemporânea, encomendadas especialmente para o evento, além de obras históricas e marcos do modernismo musical que resultaram em uma série de gravações que serão lançadas na semana de 13 a 17 de setembro, no site do projeto cultura.usp.br/3×22.

O conjunto de obras do período colonial é fruto da pesquisa do compositor e maestro Rubens Ricciardi, e junta-se ao modernismo em obras de Debussy e Stravinsky. Já a contemporaneidade é representada pelas obras de Arrigo Barnabé, Gabriel Levy e Paulo C. Chagas.
Os três compositores exploram a virtualidade dentro da música de concerto, buscando a interdisciplinaridade mediada pelas artes visuais e tecnologias. Utilizam técnicas mistas de música acústica e digital, processamento computacional e telemática, confirmando assim a vocação da OSUSP no ambiente musical e acadêmico de inovar e traduzir o estado da arte em realizações inéditas, investigativas e provocativas.,

O diretor da OSUSP e professor de fagote do Departamento de Música da ECA, Fábio Cury, destaca que “é importante ressaltar a interação da OSUSP com os Departamentos de Música da ECA e de Ribeirão Preto”. Para a realização dos concertos e gravações das obras foram feitas diversas parcerias “de Ribeirão temos o Rubens Ricciardi e a Cássia Carrascoza, do CMU-ECA-USP, os professores Ricardo Bologna e Eliane Tokeshi, também o Rogério Moraes Costa que coordena a Orquestra Errante e o pós-graduando André Bachur”, cita Cury.

No dia 15, quarta-feira, a partir das 18h30, as cordas da OSUSP se unem às vozes do CORALUSP na Rapsódia Cobra Canoa, de Gabriel Levy e Magda Pucci. Composta por temas de diferentes tradições mítico-religiosas, a partir dos fragmentos musicais originais, a obra é uma peça audiovisual que utiliza diversos recursos para a transformação e recomposição de sons e imagens que têm em comum a reverência às divindades femininas.

Na sequência, haverá a estreia mundial da obra Re-soundings/Re-sonâncias (2021), de Paulo C. Chagas, professor titular da Universidade da Califórnia-Riveride. Fruto da pesquisa sobre a música telemática desenvolvida em colaboração internacional entre Chagas, da Universidade da Califórnia, e Cássia Carrascoza Bomfim, coordenadora do LaFlauta, da USP-Ribeirão Preto, Re-soundings é uma música audiovisual telemática que integra a formação sinfônica de maneira experimental e única, dialogando com a arte digital, a prática orquestral, a tecnologia de ponta, o audiovisual e a performance telemática.

Cassia Carrascoza, que é também vice-diretora da OSUSP, explica que a obra telemática “é realizada à distância, em tempo real, e utilizando um meio de telecomunicação”, e reflete sobre a composição: “ela trata as múltiplas camadas do espaço-tempo na presença física e virtual, é sobre a presença e a ausência humana, as interconexões entre humanos e algoritmos e como esses se afetam mutuamente”, pontua Carrascoza.

A realização de Re-soundings/Re-sonâncias foi feita com o software JackTrip, desenvolvido na Universidade de Stanford, para conectar os solos de flauta realizados em São Paulo com as transformações em tempo real produzidas na Califórnia pelo autor, também com pré-gravações realizadas por músicos da OSUSP no Anfiteatro Camargo Guarnieri.
O dia de concertos termina com o lançamento da primeira série de gravações da temporada da OSUSP, com obras coloniais sob regência de Natália Laranjeira. No repertório, Duas Modinhas Mineiras Anônimas, resultado da pesquisa de Adhemar Campos Filho e George Olivier Toni, com harmonização e orquestração de Rubens Russomanno Ricciardi, e o Pensamento Sentimental, de José Maria Xavier, para cordas e clarinete solo de Tiago Garcia, com transcrição de Rogério Duprat e edição crítica de Ricciardi.

No último dia do projeto, sexta-feira, dia 17, também às 18h30, teremos, sob regência de Ricardo Bologna e com narração de Arrigo Barnabé, a interpretação da OSUSP para História do Soldado, de Igor Stravinsky, em versão para língua portuguesa. O encerramento acontece com o lançamento da obra inédita Taxidermia em Dois Movimentos, especialmente composta por Arrigo Barnabé para a OSUSP, que conta com a participação da Orquestra Errante.

Além das obras históricas que celebram os movimentos artísticos dos períodos de 1822 e 1922, a OSUSP traz nessa série de concertos a necessária reflexão e atualização estética sobre o fazer musical nos dias atuais. “A projeto 3×22 é uma grande oportunidade de escutar o que nos dizem as vozes do passado e como os princípios de permanência e transformação promovidos anteriormente se refletem hoje na prática das orquestras e da música de concerto contemporânea”, conclui Cury.

O projeto 3×22
3×22: Diálogos Improváveis é uma realização dos órgãos da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária – PRCEU, com a finalidade de discutir criticamente as datas do bicentenário da Independência e do centenário da Semana de Arte Moderna à luz dos desafios contemporâneos da sociedade brasileira. A semana dos dias 13 e 17 de setembro é composta por seminários e atividades artístico-culturais, como mostra de cinema, apresentações artísticas, performances musicais e abertura de exposições produzidas a partir das temáticas dos Diálogos Improváveis, que pretendem estimular a reflexão sobre o que comemorar nos 200 anos de Independência do Brasil.
Acompanhe a programação do evento 3×22 e saiba mais no site http://cultura.usp.br/3×22/